fbpx

Com a chegada da realidade virtual de entretenimento, são várias as hipóteses de jogos que mexem com a nossa imaginação. Quando se colocam uns óculos de RV, a primeira sensação que se tem é que estamos noutro mundo por estarmos a vê-lo na primeira pessoa.

Assim, há três tipos de jogos, em particular, que são perfeitos para este meio: os chamados “first-person shooters”, ou seja, jogos de tiros; os jogos de horror/terror e; simuladores, como sejam jogos de corridas.

Vamos deixar os simuladores e as experiências de terror para as próximas semanas e foquemo-nos, então, nos FPS.

Desde os velhinhos Doom e Quake, passando pelos quase omnipresentes Call of Duty e Counter Strike, este tipo de jogos tem sido uma constante nos computadores e nas consolas. É uma forma de ter uma aventura e uma descarga de adrenalina sem qualquer tipo de perigo, tanto para nós como para outros. Na prática, os jogos na primeira pessoa com armas, sejam elas de que tipo forem, são apenas versões evoluídas de um jogo da “apanhada”, em que procuramos “apanhar” o adversário.

Claro que os jogos da “apanhada” não incluem sangue e morte e também aqui o próprio género tem evoluído. Para além dos que seguem esta linha, pode-se hoje em dia ter bastante diversão com este tipo de jogos sem violência. Um exemplo de que gostamos muito no Virtua Fun é o Merry Snowballs, um jogo de batalhas de bolas de neve, uma atividade que, infelizmente, não é possível na nossa região de Lisboa e Odivelas.

Merry Snowballs

A realidade virtual vem possibilitar que se esteja dentro da ação e se possam experimentar aventuras que de outro modo seriam impossíveis. Olhamos para qualquer lado e continuamos no meio da ação, mas num outro mundo. E assim, num ápice, atirar bolas de neve num dia solarengo de fim-de-semana em pleno verão torna-se possível – mas apenas na nossa arcada de realidade virtual.

Slightly Heroes

No Virtua Fun, temos vários jogos deste tipo e, claro, para todas as idades. Para além do já mencionado Merry Snowballs, o Slightly Heroes é um jogo para todas as idades, não sedo disparados tiros, mas apenas bolas de ténis, com as próprias personagens a serem caricaturas (uma das personagens é um pacote de leite, por exemplo…). E este jogo tem uma vantagem adicional – é que enquanto o Merry Snowballs dá apenas para um jogador, o Slightly Heroes foi pensado para dois jogadores, um contra o outro. Pais e filhos, este é o jogo ideal!

Firezone

O género, no entanto, é mais conhecido por ser para graúdos (embora jogos como o Fortnite tenham esbatido essa fronteira). E aí, o Virtua Fun está bem servido de opções. A mais recente adição, o Firezone, será o mais adulto e, inclusivamente, o mais difícil, tirando influências de jogos como o Counter Strike. Ao poder controlar-se o movimento, tanto da personagem, como da própria arma, este jogo necessita de algum tempo para os jogadores se habituarem. E como jogar deve ser experimentado com amigos, são oito os amigos que se podem juntar ao mesmo tempo para desfrutar de uns quantos tiros.

Dead and Buried

Há mais dois jogos em realidade virtual que temos disponíveis no nosso salão de jogos e que fazem as delícias de quem os experimenta: Drop Dead e Dead and Buried. Ambos têm em comum… zombies! É curioso que a realidade virtual tem sido pródiga em ter jogos com base em zombies, quando não são tão comuns nas outras plataformas. Hoje em dia, entre os fãs do meio, jogos deste tipo são recebidos com um revirar de olhos, tendo em conta quantos já existem. Claro que, se existem, é porque resultam!

Disparar contra zombies satisfaz bastante e estes dois jogos são dos que os nossos aventureiros mais gostam. Drop Dead é um shooter de zombies típicos que pode ser jogado sozinho, com mais um amigo em cooperação, ou com mais três em modo competitivo. O Dead and Buried pode também ser jogado sozinho, com os zombies a aparecerem em vagas, ou com até mais três pessoas, fazendo duelos um contra um como se fosse o velho oeste norte-americano! Uma experiência incrível para quem gosta de cowboys.

Hardlight Blade

Finalmente, existem casos híbridos como o Hardlight Blade em que, apesar de não haver “tiros”, há uma experiência na primeira pessoa de tentar derrotar inimigos – só que com um sabre de luz, como se fosse o Star Wars. Existe também a possibilidade de ter um machado de luz que se atira – é bem mais divertido do que soa!

Resumindo, a realidade virtual torna a experiência de “andar aos tiros” incrível e inesquecível. Na próxima publicação, falaremos de medo e de como a realidade virtual potencia o verdadeiro terror ao se estar nos sítios dos nossos pesadelos!